A OAB e o direito do contraditório

Publicado em às 20:06.
Por Gilvan Barbosa Gama
Como vivo em um país onde a vida do cidadão,a realidade política e os escândalos,rotineiramente mudam a cada 24 horas, nada mais me causa assombro ou abalo,a não ser quando a grita do fato é notória e carece de uma explicação no mínimo lógica.O restante por ser muito e de  pouca monta, passa batido. Todas as vezes em que qualquer segmento da sociedade brasileira enfia o “pé na jaca”,coisa que ultimamente vem acontecendo com assídua regularidade no meio político,a Ordem dos Advogados do Brasil é a primeira a tomar para si as dores e a defesa dos cidadãos se mostrando o exemplo da perfeição e da justiça da mesma forma que a loba age em defesa das suas crias.
Vendo essa mesma instituição, sob outra ótica, a coisa muda. Essa entidade é a mesma que congrega advogados que cobram milhões de reais para defender políticos comprovadamente propináveis,barões do tráfico de drogas e toda uma gama de reconhecidos bandidos e contraventores.Todos são acusados de inomináveis e variados  delitos que ainda não quebraram o Brasil porque o que se lhes faltou em tempo hábil para perpetrar o feito, o Brasil compensou a não quebra  em tamanho territorial.É muito grande essa terra e não da para leva-la a falência.
É sabido também, que ninguém pode ser condenado sem prévia defesa,mas os honorários pagos pelos barões das propinas e da corrupção aos seus advogados, pelas somas vultosas que representam,não há como negar tratar-se de dinheiro sórdido, produto de toda sorte de ilícitos, portanto o bom senso diz ser dinheiro sujo que jamais poderia ser usado para pagamento de honorários advocatícios. Para mim,salvo melhor entendimento,isso é o contraditório do direito que me leva a dizer que a Justiça não é cega mas é  muito bem paga para não enxergar aquilo que não lhe convém ,venha o dinheiro sujo de onde vier. A OAB jamais cortará na própria carne e não se posicionará jamais contra esse tipo de honorário que para mim,me perdoem os advogados, é uma vergonha inominável.

Enviar comentário

Seu e-mail nunca será publicado ou compartilhado.
Campos obrigatórios marcados com *.

*
*
*