ELES COMANDAM – Cooler invade as praias e quiosqueiros reclamam

Publicado em às 9:57.
Por Luciana Maximo

 

Uns acham que o cooler atrapalha a venda dos quiosques, quem leva acha prático, melhor mesmo é entrar num acordo, leva o cooler, mas gastar no quiosque

“O pessoal do ‘cooler’ está invadindo a praia”, literalmente e obrigando os quiosqueiros a baixarem o preço da cerveja ou manter o mesmo do ano passado, senão, vai sobrar no estoque do verão. Os turistas e moradores aderiram ao cooler, antes era mesmo, a caixa de isopor e a bolsa térmica.

O quiosqueiro Sebastião Pereira de Carvalho, o Tião, proprietário do badalado Quiosque da Loira, há 34 anos, na orla de Piúma brinca com a situação. “Aceitamos tudo aqui, cartão de crédito, bilhete, guardanapo escrito assinado, e-mail, fax, desde que se sentem no Quiosque e gastem”. “O que é complicado são os ambulantes que param em frente ao quiosque com seus carrinhos e ainda aproveitam a música ao vivo para venderem as bebidas deles. Isso é todo dia”, disse. Lembrando que a taxa de alvará desse ano ficou em R$2. 305.00 e é preciso pagar além dos garçons senão fica complicado trabalhar.

Tião é o único dono de quiosque que mantém durante o verão de dia e de noite música ao vivo, a propósito informou que de dia toca Eliseu Marques e noite Josiel Andrade, todos os dias. O Quiosque da Loira abre é o primeiro que abre e o último que fecha, há dias que nem fecha. O pique lá é dividido entre Tião e a esposa, Rosana Matoso.

A reportagem conversou com outra dona de Quiosque para saber como ela vê essa onda do coller na praia, mas ela pediu para não ser identificada. “O cooler atrapalha muito, mas se o cliente pelo menos gastar no quiosque não tem tanto problema, estamos com o mesmo preço da cerveja do ano passado”.

A decoradora Andressa Pimentel, de Cachoeiro de Itapemirim, que adora viajar, acampar, fazer tour pelas praias tanto no ES, quanto região dos Lagos e São Paulo não dispensa o cooler, ela gosta de ter a própria cerveja e é fiel ao seu gosto, que muitas das vezes não tem nos quiosques. “É uma comodidade, porque você pode manter as coisas geladas, mesmo onde não tem nenhum quiosque. É não é só cerveja, pode ser sanduíches, carnes, água, etc…”, comentou.

Há quiosques vendendo cerveja a R$6.00, outros a Itaipava a R$7.00 e a Bhrama e Skol 8.00 a R$8,50.

 

Enviar comentário

Seu e-mail nunca será publicado ou compartilhado.
Campos obrigatórios marcados com *.

*
*
*