Morte de Laone chama atenção para o tema

Publicado em às 13:59.
Por Da redação

“[…] sobre nós e nossas omissões disfarçadas de atos civilizados.”:

Muitas pessoas conheceram o jovem cachoeirense de 18 anos, Laone que, tragicamente se jogou da Ponte de Ferro, na Capital Secreta do Mundo, na noite chuvosa desta terça-feira, 06.

Houve quem visse minutos antes, bebendo solitário, sentado à porta de uma loja, vestido de preto e capuz na cabeça. Ele causou medo. Houve quem viu caminhar sobre a ferragem da ponte, e ainda o fotografou. Houveram muitos gritos e pouco eco.

Laone pôs fim a vida num gesto fatal. Poderia sim ter se jogado nas águas do Itapemirim, mas o protesto dele, fora para que alguém o visse, pelo menos sem vida. Muitas de suas postagens mostraram aos amigos suas dores, mas a pressa não deixou que percebessem.

Era inteligente, queria ser cientista. Gostava de física e de livros. Era solitário, diferente, era apenas um jovem a mais mergulhado numa solidão monstruosa e medonha acolhida pela sua preferência sexual ignorada e desrespeitada por essa hipócrita sociedade.

Na página da editora do jornal o texto, ‘Laone, morte anunciada’ já passa de 140 compartilhamentos e mais de 300 comentários. Todos estão perplexos, como se fosse novidade um jovem morrer depois de o matarem de várias formas silenciosamente. “Era apenas um garoto querendo ser aceito na sociedade com sua opção sexual, as vezes pelo o fato da família não aceitar sua escolha caímos sim em abismo, não de medo, mas de operações sem saber o que fazer com tantas acusações, Laone era um garoto depressivo sim, por não ser aceito por suas escolhas, pelo seu jeito.

Até quando isso vai ter que acontecer para a sociedade para de julgar e se pôr no lugar de quem sofre? Até quando o preconceito vai ser maior e mais valioso do que seu respeito? Até quando pessoas e mais pessoas irão morrer por não serem aceitas a essa sociedade sem limites sem leis? Até quando até quando? Perguntas sem respostas e vidas sendo perdidas”, interroga a leitora Namilly Fagundes Verli.

A professora Beatriz Fraga que não o conheceu deixou sua mensagem sobre o ocorrido que está repercutindo muito nas redes sociais. Com mais de 20 compartilhamentos a postagem é comentada por diversos leitores.

Enviar comentário

Seu e-mail nunca será publicado ou compartilhado.
Campos obrigatórios marcados com *.

*
*
*