Ricardo Costa mantém Kauê e Exonera Alex

Publicado em às 17:50.
Por Luciana Maximo

O prefeito Ricardo costa – PDT falou com exclusividade ao jornal e disse que Kauê se mantém no time, mas teve de exonerar o vigilante Alex Ramos depois do vídeo inescrupuloso veiculado nas redes sociais. Ricardo disse que vai mexer em mais peças.

Como diz o ditado popular “ Enquanto os cães ladram, a caravana passa”

Como é sabido por uma grande maioria de pessoas a rasteg #ficakaue acabou gerando uma grande aceitação nas redes sociais e gerou uma grande polémica.

 

Luciana Maximo – Prefeito Ricardo, afinal o Kauê continua ou está fora da Administração Municipal?

Ricardo Costa – O Kauê fica, eu não aceitei o pedido de exoneração do Secretário Kauê, ele continua como nosso chefe de Governo devido às suas qualidades pessoais, pelo nosso bom relacionamento e pela capacidade dele e sua capacidade de articulação. O município precisa dele e mesmo com o pedido de exoneração, nós queremos ele conosco e além de não aceitarmos o pedido de exoneração, nós estamos de braços abertos pare ele e suas propostas em prol do município de Piúma. Kauê agiu com muita humildade colocando seu cargo à disposição, diferente do outro servidor. O Alex tem suas qualidades, é um ativista, ainda que seja contraditório o seu posicionamento em relação ao governo, nós nos reunimos com parte do governo e secretários, não tomamos nenhuma atitude para com ele, mas na última quarta-feira a noite, em sua fala nas redes sociais, algumas cenas não coincidem com o que o governo se propõe e mesmo sendo fora do horário de trabalho, tem certas coisas que ultrapassam os limites daquilo que a gente espera enquanto poder público e devemos estar combatendo. As cenas não foram apropriadas para um funcionário público na maneira que o mesmo se dirige às pessoas e por esse motivo, não comporta mais para a prefeitura manter essa pessoa lá. O espaço é democrático mas pela forma com que foi feito, principalmente sabendo que temos jovens e crianças que acessam a internet, o facebook, o youtube e está disponível este comportamento que não condiz com a função de funcionário público.

 

Luciana – Para o bom funcionamento da administração, cabe ao prefeito lubrificar algumas engrenagens e resolver coisas que estão atrapalhando o bom andamento da gestão?

Ricardo – Exatamente, nós seres humanos somos vaidosos e muitas vezes nos nossos negócios particulares nós deixamos nossa vaidade de lado para não perder o que é nosso. Isso deve ser aplicado também ao serviço público, mas infelizmente o que acontece muitas vezes no serviço público é que as pessoas querem colocar pra fora toda a sua vaidade  e com isso acabam atrapalhando muito o bom andamento do serviço. Estamos chegando ao meio do ano e cabe a nós avaliarmos quem está disposto a servir e quem quer ser servido. O funcionário público trabalha na função que gosta e precisa estar sempre disposto a servir porque é isso que a população espera de nós. O nosso patrão é o cidadão, é a população que nos paga e nem sempre eles sabem o dia a dia do governo onde nem sempre as coisas andam como nós gostaríamos que andassem por diversos motivos econômicos, por motivos de capacidade das próprias pessoas que vão se capacitando ao longo do tempo, mas também tem o motivo das vaidades que atrapalham no processo. Nós temos que buscar recursos, capacitação, mas em se tratando de vaidade, esperamos que as pessoas mudem e isso não cabe ao prefeito uma ação ou decreto que diga que a partir de tal data as pessoas não podem exercer suas vaidades dentro da administração. Isso deve partir da própria pessoa e as que forem se enquadrando vão deslanchar em suas áreas de atuação e as que não se enquadram, somos obrigados a reunir a equipe e avaliar as primeiras mudanças na adminostração.

 

Luciana – Quanto ao secretariado, já foi feita alguma mudança?

Ricardo – Não, estamos aguardando até o meio do ano para ver quem se encaixa e quem não para definirmos mudanças.

Enviar comentário

Seu e-mail nunca será publicado ou compartilhado.
Campos obrigatórios marcados com *.

*
*
*