Técnicos fazem BO na polícia, mas não há crime

Publicado em às 18:46.
Por Da redação

A situação continua complicada em relação ao remanejamento dos técnicos de enfermagem, nesta quinta, eles foram Delegacia fazer um BO

Alguns técnicos de enfermagem efetivos de Piúma estiveram na manhã desta quinta-feira, 16 na Delegacia de Polícia Civil de Piúma registrando um Boletim de Ocorrência – BO, contra a secretária de Saúde, Ana Luíza Ferreira Mathias acusando-a de calúnia de difamação pelas declarações cedidas ao Jornal Espírito Santo Notícias, na edição Digital desta quinta.

A Reportagem foi até à delegacia para falar com os técnicos, mas os mesmos preferiram não se pronunciar, disseram que foram aconselhados a não dizer nada na imprensa sobre o impasse que está ocorrendo com a remanejamento deles para as unidades de saúde.

Oportunamente, um dos profissionais disse que eles exigem uma retratação no jornal sobre o que fora dito, em relação a eles terem supostamente omitido socorro e feito motim no Hospital no dia 08, data do episódio, em que se negaram a subir para a enfermaria para suprir a ausência de um outro técnico que não comparecera no plantão.

A Reportagem falou por telefone com o delegado, Geraldo Peçanha se ele tinha conhecimento dos BO’s e qual seria o motivo. Ele disse que preferia não se manifestar sobre o caso, pois a situação deve ser resolvida internamente na secretaria de Saúde e que, a priori não viu prática alguma de crime, pois cabe ao gestor fazer remanejamento de servidor na hora que for necessário ou houver necessidade.

 

Retratação

 

Em relação a retratação que os técnicos exigem que o jornal faça ao narrar as declarações da secretária, convém explicar que, na entrevista cedida por Ana Luíza, ela afirmou que o remanejamento se deu pela omissão de socorro a seis pacientes que estavam internados na enfermaria, em seguida, ela disse na entrevista que o primeiro passo foi o remanejamento e a seguir iria tomar as providências cabíveis que a secretaria tem que tomar e averiguar os fatos.

Na versão dos técnicos não houve em nenhum momento omissão de socorro, porém, nenhum deles atenderam a solicitação da enfermeira que tentou fazer o remanejamento na noite do dia 08, embora, uma delas afirme que subiu a enfermaria e fez os procedimentos necessários.

Em relação ao motim citado na matéria, na entrevista Ana Luíza disse que teve um início de motim, “a gente não tem provas, mas tem o depoimento de todos que já ouvimos que teve um que encabeçou e os outros foram atrás e eles omitiram socorro”.

De acordo com a Wikipédia motim é uma insurreição de grupos não homogêneos, organizada ou não, contra qualquer autoridade instituída. Caracteriza-se por atos explícitos de desobediência a autoridades ou contra a ordem pública, sendo frequentemente acompanhado de tumulto…

Em relação a negligência, que os técnicos afirmam não terem sido eis a seguinte definição ao substantivo. “Negligência (do latim “negligência“) é o termo que designa falta de cuidado ou de aplicação numa determinada situação, tarefa ou ocorrência…

 

O que diz o relatório da enfermeira Diana?

 

Cabe ressaltar que no relatório que a reportagem teve acesso da enfermeira Diana, do plantão noturno, ela diz que: “Às 19H20 feito contato com Franquilene comunicando que a técnica responsável pela enfermaria não havia comparecido ao plantão, a mesma tentou contato com técnicos do Consórcio, porém sem sucesso. “Fiz contato com a secretária de Saúde, Ana Luíza, a mesma prontificou-se a resolver. Solicitado pela Franquilene que a técnica responsável pela ala de observação assumisse a enfermaria, a mesma se negou. Após foi solicitado aos dois socorristas que se negaram também. Comuniquei tal fato a Franquilene e Ana Luíza, secretária de Saúde. Às 21h00, Olímpia do Consórcio ligou comunicando que a técnica de enfermagem que estava na recepção iria assumir o setor da enfermaria e a técnica do RX daria um suporte na recepção…”.

Vale ressaltar que, durante a conversa com os técnicos que estavam na delegacia, um deles disse que não poderia assumir a enfermaria pois não podia deixar o setor dele desguarnecido. Outra técnica afirmou que ela subiu e fez o atendimento dos pacientes que estavam na enfermaria.

Entretanto, a Reportagem foi em busca de informações para ver se procedia a informação de que essa técnica que afirmou ter dado o suporte na enfermaria realmente o fez. Contudo, não procede em documentos que a mesma tenha feito o que disse. O jornal teve acesso a informação, mas não pode divulgar, pois o documento é de uso interno do hospital, mas a técnica que assistiu os pacientes foi a que estava na recepção e subiu até que outro fosse contactado.

Enviar comentário

Seu e-mail nunca será publicado ou compartilhado.
Campos obrigatórios marcados com *.

*
*
*