Kennedy se projetando para o futuro: secretário de Obras fala com exclusividade

Publicado em às 8:00.
Por Luciana Maximo

O Jornal Espírito Santo Notícias fez uma visita ao município de Presidente Kennedy e viu obras em diversas localidades. Conversou com moradores e foi em busca de resposta junto ao secretário de Obras Miguel Qualhano. Depois da visita ao interior e a sede da cidade – terra natal desta jornalista – a pergunta que não quer calar: é verdade que tudo isso está acontecendo, depois de cinco décadas de abandono e esquecimento? Quanto está sendo investido. O secretário afirmou que aproximadamente R$60 milhões. Bom, para melhor explicar aos leitores como andam as obras na cidade, confira a entrevista na íntegra com Miguel.

 

 

Jornal: Em nossa primeira entrevista o senhor nos mostrou uma agenda com muitas obras que estavam sendo projetadas na cidade.  Entre elas destacou a Construção da Avenida Orestes Bahiense. O que ocorreu com ela e como está o processo?

 

Miguel: A licitação da Avenida foi contestada por 02 (duas) vezes pela oposição junto ao TCES, atendendo ao pedido dessa corte de contas, fizemos algumas adequações ao projeto de Implantação da Pavimentação e Urbanização da Avenida Orestes Bahiense e Ruas Adjacentes, totalizando aproximadamente 2.317 metros lineares. Com muito esforço dos engenheiros da Prefeitura foram feitas revisões e adequações, houve a redução do Boletim de Despesas Indiretas (BDI) de 35% para 26%, atualização de custos, assim como algumas supressões de itens.

 

Jornal: O município está com muitas obras, em várias comunidades: pode nos dizer quantas em cada área:

 

Miguel: Foram concluídas as Creches de Boa Esperança e Marobá em 2013, estão sendo executada as obras da Creche de Santa Lúcia (entrega no final de 2016) e estamos elaborando o projeto para licitação da creche de Jaqueira.

 

  • Foram construídas as Unidades de Saúde de Santa Lúcia (inaugurada), Boa Esperança e São Salvador (a inaugurar). É serão construídas as US’s de Bela Vista e de Praia das Neves (terrenos em desapropriação).
  • Implantação da Pavimentação, Drenagem Pluvial e Esgotamento Sanitário de diversas Ruas de São Paulo, Santo Eduardo, Areinha e Campo Novo. Estão sendo licitadas a rua principal de Areinha, de diversas ruas da Sede do Município, de Boa Esperança e em breve as ruas de Santa Lúcia e Marobá.Está sendo executada a 1ª. Fase do Projeto do Sistema de Drenagem de Águas Pluviais e Canalização do Córrego Batalha. Que começa na estaca 0 (propriedade de Dorvalino Tonon, próximo ao antigo Fórum) a estaca 26 (pátio da Escola Municipal de Ensino Fundamental “Vilmo Ornelas”), licitada por R$ 1.316.702,30.
  • Está sendo executada a reforma do Ginásio Municipal de Esportes “Eraldo Lemos Correia”, pelo valor de R$ 762.706,46.

 

Jornal: Sobre as casas populares: há ainda comentários de que as mesmas estão superfaturadas. Pode explicar a essas pessoas.

 

Miguel: Luciana, quanto a essa situação, o que ocorreu foi um erro de interpretação, não só do jornal como dos denunciantes. O Município optou pela construção do que chamamos de Loteamento de Interesse Social (LIS), que é um bairro construído em terreno de propriedade do Município, com as vias públicas pavimentadas, calçadas, muros divisórios em todas as unidades, iluminação pública com lâmpadas de LED’s, rede de distribuição de água, e de captação das águas pluviais e do esgoto doméstico. Sem contar que as novas unidades habitacionais passaram por uma adaptação, construção de uma pequena varanda na frente e nós fundos dos imóveis, todas as unidades foram adaptadas para atender a portadores de necessidades especiais, um reservatório de água maior, entre outros ajustes e adequações. O jornal e o leigo, simplesmente dividiram o valor pelo número de unidades, sem levar em consideração todas as obras complementares que são executadas, o que não vai retratar a realidade do projeto.

 

Jornal: Além de Marobá, mas aonde serão construídas casas populares e como andam as obras?

 

Miguel: Estão sendo construídos o LIS de Marobá com 33 unidades habitacionais pelo valor de R$ 2.454.464,22, e o LIS de Jaqueira com 43 unidades pelo valor de R$ 2.878.588,15. Estão sendo elaborados os projetos para a construção dos LIS’s de São Paulo com aproximadamente 66 unidades. Santo Eduardo com aproximadamente 56 unidades. Na Sede com aproximadamente 91 unidades e em Cancela com 10 unidades.

 

Jornal: Quantas reformas foram concluídas e quantas ainda na agenda para 2016?

 

Miguel: Foram reformados o Hospital Municipal Tancredo Neves, a Unidade de Saúde de Gromogol, a Capela Mortuária de São Paulo, o Posto da Guarda Municipal de São Paulo com material e prestadores de serviços do Município.

 

Jornal: Um problema em Kennedy é falta d’água. Ou seja, essa é uma cidade diferente das demais, se desenvolveu longe do leito de um rio, por isso muitas pessoas dizem que investir em Kennedy é complicado. Se pelo menos mais mil pessoas vieram morar na cidade falta água. O que está fazendo a Prefeitura para sanar esse problema?

 

  • Estamos ampliando as fontes de captação de água e tratamento, com a perfuração de novos poços artesianos profundos em Santa Lúcia, Jaqueira, São Paulo, Santo Eduardo, Boa Esperança, assim como a construção de pequenas estações de tratamento de água com filtros e cloradores.

 

  • Estamos projetando a construção de uma nova Estação de Tratamento de Água (ETA) para atender a região do litoral, que está sendo projetada para ser construída no Rio Itabapoana entre as localidades de Campinas e Guarulhos. Essa nova ETA, além de atender ao Município poderá atender ao Porto.

 

Jornal: Saneamento Básico: O secretario de Meio Ambiente, Leandro Rainha me disse que todas as obras da cidade, que envolvem infraestrutura há uma preocupação com a questão do saneamento básico e nós pudemos ver de perto essa afirmação. A prefeita Amanda me disse há algum tempo que, iria resolver o problema do esgoto a céu aberto de Kennedy. Há moradores descrentes em relação a esse assunto. O que pode pontuar. Como andam os projetos de esgoto sanitário e estações de tratamento. Onde será concluído. Até o final de 2016 quantos % do esgoto estará concluído?

 

Miguel: Está sendo licitadas a aquisição e instalação de 12 Estações de Tratamento de Esgoto (ETE’s), que quando concluídas vão cobrir 100% dos moradores urbanos do Município, o processo licitatório encontra-se sob análise do TCES.

 

Jornal: Quantas escolas foram reformadas, quais são elas? E creches quantas foram concluídas e quais as que estão na agenda da prefeitura? Pode dizer a área das creches, o que elas comportam?

 

Miguel: Estão sendo reformadas as Escolas Municipais de Ensino Fundamental de Gromogol, Galos (Cancela), Bom Jardim, “Gente Miúda” de Areinha (R$ 113.898,95), Santo Eduardo (R$ 259.430,59), Água Preta (R$ 141.771,67), Jibóia em Boa Esperança (R$ 134.891,55), Santana Feliz (R$ 136.894,91), “Orcy Batalha” em Cacimbinha (R$ 208.015,06), Mineirinho (R$ 158.675,57), São Bento (R$ 180.273,73) e Bela Vista (R$ 197.310,87).

 

 

Jornal: As obras em São Paulo estão mais devagar ou é impressão minha? Por quê?

 

Miguel: Devido a falta de planejamento urbano no decorrer dos anos, isso ocasionou a ocupação de forma irregular, não respeitando as dimensões das ruas, das calçadas e margens de córregos, entre outras. Estão quase todas as nossas obras de urbanização precisam ser acordadas com os moradores das comunidades para dar um mínimo de tráfego nas vias. Excluindo Santo Eduardo, que tivemos poucos problemas, todas as demais comunidades estão passando por esse problema. 

 

Jornal: Quais são os problemas que a Prefeitura enfrenta em São Salvador? As obras por lá estão paradas?

 

Miguel: As obras de São Salvador começaram agora, há menos de um mês. Mais estamos tendo as mesmas dificuldades ruas apertadas, falta de alinhamento das casas, redes de iluminação públicas nas vias. E para a ESCELSA fazer a remoção dos postes demora tempo, nem todos os moradores aceitam abrir mão de uma faixa do seu terreno. Isso atrasa tudo. Tem que se conversar caso a caso.

 

Jornal: As denúncias que foram feitas em relação a algumas obras: Orestes, Casas populares, qual o teor delas?

 

Miguel: Questões de cunho político, infelizmente alguns continuam defendendo o atraso do Município, o que é inconcebível para os dias de hoje.

 

Jornal: Quais as obras que foram feitas na sede e quais estão programadas para o próximo ano?

 

Miguel: Acho que para os próximos anos a prioridade são as obras estruturantes vislumbrando a chegada dos grandes investimentos como as Escolas de Marobá, Jaqueira e da Sede. A pavimentação das estradas municipais que ligam a Sede a todo o interior do Município; a melhoria na iluminação pública da Sede e das demais localidades; a construção das Orlas de Marobá e da Praia das Neves, que vai melhorar na atração de turistas.

 

Jornal: Asfalto: quantos quilômetros de asfalto será construído na cidade. Onde já começou e qual o próximo passo?

 

Miguel: Já começou as pavimentações da estrada que liga a Sede ao entroncamento de Monte Belo com 4,7 km, e da Sede a Fazenda Santa Madalena perto de Mineirinho com aproximadamente 7 km. Ainda vai ser dado a ordem de serviços dos trechos de Fazenda Alegria a Fazenda Leonel com 1,8 km, e de Fazenda Cancelas, passando por Leonel até a ES-162, com aproximadamente 6 km.

Estão sendo licitados os trechos que liga o Posto do Cajú na BR-101, passando por Gromogol, Cancelas até o entroncamento de Monte Belo, com aproximadamente 17,9 km, e o que liga o Cerude, Santa Maria aa São Bento, com 7,7 km.

 

Jornal: O Porto Central, Kennedy está se estruturando para receber o Porto com todas as essas obras. Como anda o processo que envolve o complexo portuário?

 

Miguel: Estamos atendendo os anseios da população Kennedense, expresso nas audiências públicas de 2013 e referendadas nas de 2015. Com esse planejamento vamos ter as condições de atender as demandas que viram com o Porto Central.

 

Enviar comentário

Seu e-mail nunca será publicado ou compartilhado.
Campos obrigatórios marcados com *.

*
*
*