Nossos “malvados favoritos”

Publicado em às 12:40.
Por Roney Moraes

“A perversão é um fenômeno sexual, político, social, físico, trans-histórico, estrutural, presente em todas as sociedades humanas”, Elisabeth Roudinesco.

A grande maioria dos políticos brasileiros, quem sabe, possui traços do que chamamos em psicanálise de ‘perversão’. Não se engane. Apesar de alguns populistas e elitistas detentores de procuração pública para exercer o mandato evidenciarem, talvez, algo como perversão estrutural da personalidade ou, conforme alguns autores contemporâneos da psicanálise e dos quais tenho como referência, uma tipificação subordinada às duas grandes estruturas (Neurose e Psicose), todos nós temos algum traço perverso. Vem do berço.
Freud (1905) em os “Três ensaios sobre a teoria da sexualidade” traz uma inovação sobre a criança enquanto sujeito sexual e a classifica enquanto possuidora de uma sexualidade perverso-polimorfa, isto é, que pode ter várias formas para atingir seu objetivo (prazer) e que pode permanecer no adulto.
Para alguns autores, o tema da perversão é controverso e polêmico porque, além da conceituação clássica de que refere um transtorno que desvia os fins da sexualidade normal, ele também implica, na atualidade, questões morais, éticas, ideológicas e jurídicas.
Já ouviram esta frase: “rouba, mas faz”? Creio que sim. Não passa de uma justificativa neurótica para legitimar uma conduta perversa. Ou seja, os perversos, para o espanto de alguns, nos fascinam. São os líderes e precisam de uma plateia neurótica para aplaudir suas façanhas fetichistas, sadistas, masoquistas ou qualquer outra parafilia espetacular.
Não falta nada ao perverso. Ao contrário do neurótico, que não sabe o porquê de seu sofrimento, o inverso acontece com o perverso. Ele sabe lidar com a ‘falta’, pois não lhe falta nada. Por isso ele não sofre. Melhor ainda, terceiriza o sofrimento. Pior, ou melhor, para os neuróticos ao redor. O que fascina é justamente ver o “malvado favorito” lidar com o que, normalmente, os outros não conseguem.
Contudo, “o perverso, por mais que queira ocultar sua perversão, sempre acaba se traindo porque ele está sujeito a duas forças opostas, iguais na quantidade, que estão em um permanente jogo duplo: uma parte dele mantém um policiamento à pulsão perversa, enquanto a outra parte sabota a primeira (também pela razão da formação de culpas que o impelem a ser flagrado e punido) e comete algum tipo de ‘besteira’, assim fazendo fracassar o seu lado sadio, de modo a perpetuar o sistema perverso”, diz o psicanalista David Zimerman.
Um exemplo clássico nos quadrinhos é o “Esquadrão Suicida”. Nome sugestivo para os supervilões psicopatas do Universo DC, sob a tentativa de controle do governo Americano. Governo, leis e controle são coisas que não encaixam ao perverso. Uma hora a máscara cai. E assim, a vida imita a arte ou vice-versa.
Ao menor sinal de angústia, o lobo em pele de ovelha, desiste da missão e vai pelo caminho mais fácil. Narcisista e sem espinhos. Rumo ao avesso!

 

Enviar comentário

Seu e-mail nunca será publicado ou compartilhado.
Campos obrigatórios marcados com *.

*
*
*